Episódio de Janot Reacende Pressão Por CPI da Lava Toga

CPI da Lava Toga
Foto: Lula Marques/Agência PT

Depois do polêmico episódio narrado pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, sobre o plano de matar o atual ministro Gilmar Mendes, do STF; juntamente com a reação da corte em fazer uma operação de busca e apreensão na residência do ex-procurador, serviram de argumento e motivação para novas críticas contra a cúpula do Judiciário.

Apoiadores do presidente Bolsonaro estão se organizando para fazer novas manifestações, incluindo acampar em frente ao STF nos próximos dias para pressionar ministros. As manifestações são para protestar contra abusos e corrupção envolvendo os trabalhos dos ministros.

Este episódio serviu para fortalecer o inquérito instalado pelo presidente Dias Toffoli, com o objetivo de apurar a disseminação de informações falsas e ameaças feitas ao tribunal. Naquela época a investigação foi conduzida pelo ministro Alexandre de Moraes, mas teve forte oposição de Raquel Dodge; que então era procuradora-geral da República, que segundo ela, havia arbitrariedade na ação.

Veja também:

CPI da Lava Toga

Este inquérito foi usado para que Moraes determinasse a busca e apreensão na casa de Janot e para que ele não entrasse no supremo e nem se aproximasse dos ministros. A CPI da Lava Toga foi proposta pelo o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE); que viu nesta ação mais um abuso ilegal da corte.

A respeito desta ação, o senador disse: “Mesmo que você imagine como muito grave Janot narrar ter pensado em matar um ministro do Supremo, não há absolutamente nenhum crime. Então teve uma escalada a mais que foi aproveitar esse fato, que não ter repercussão jurídica, mas politicamente está sendo manobrado para que Gilmar Mendes seja colocado como vítima, o que obviamente ele não é”.

Flávio Bolsonaro Foi Contra a CPI da Lava Toga

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) foi contra a instalação da CPI da Lava Toga; isto motivou parte dos apoiadores de Bolsonaro, passou a atuar contra a ideia da CPI, argumentando que a CPI poderia gerar muitos conflitos entre os Poderes e iria atrapalhar o governo e a reforma da Previdência.

Estes últimos acontecimentos serviram, entre outros; para tachar o “STF vergonha nacional” como um dos temas mais comentados nas mídias sociais. Um dos posts que se destacaram foi da senadora Selma Arruda (Podemos-MT) que segundo ela vivemos uma ditadura; em que o STF persegue seus críticos e manda prender seus opositores.

“Esses são os ‘ditadores de toga’…”

O senador Marcos do Val (Podemos-ES)também fez uma postagem neste sábado (28) informando: “Esses são os ‘ditadores de toga’. Estou disposto a ir às últimas consequências, para termos um país livre da corrupção e da impunidade”.

 Apesar do senador Alessandro Vieira ter protocolado o pedido de CPI em março, o presidente do Senado; Davi Alcolumbre (DEM-AP), rejeitou esta ideia. Assim o senador recorreu ao plenário da Casa, no entanto vai depender que Alcolumbre paute a votação.

Alessandro Vieira quer tentar protocolar novo pedido de CPI; mas está faltando uma das 27 assinaturas de senadores necessárias para isso. Ele também classificou de “cortina de fumaça” a revelação de Rodrigo Janot de que pensou em matar Gilmar Mendes.
CPI da Lava Toga

1 Trackback / Pingback

  1. Nesta Quarta o STF Decidirá Sobre Anulação dos Julgamentos da Lava Jato

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*