Acontecimentos Misteriosos Que Não Foram Solucionados

Com o passar dos milênios, surgiram pelo mundo numerosos acontecimentos misteriosos que os pesquisadores não conseguiram decifrar. Este vídeo mostra alguns desses acontecimentos misteriosos mais famosos, discutidos e investigados por muitos anos e que permanecem sendo investigados até os dias de hoje.

Alguns desses acontecimentos envolvem os famosos incidentes como o do Passo de Dyatlov e a Explosão em Tunguska. Estes dois despertam a atenção até hoje devido as evidências, as pessoas e a forma como ocorreu.

Se você estiver com pouco tempo ou preferir, pode assistir o vídeo sobre este artigo logo abaixo.

Nesta lista estão 5 mistérios que não foram resolvidos apesar de todos os trabalhos de investigação que foram feitos.
Estes mistérios possuem evidências que confundem e dificultam as investigações, o que faz parecer que são impossíveis de se resolver.

acontecimentos misteriosos

5. O Triangulo das Bermudas e o Triangulo do Dragão

Dois grandes mistérios relacionados com o desaparecimento de navios e aviões são o Triângulo das Bermudas e o triangulo do dragão. Esta estranha região, que fica no Oceano Atlântico Norte entre Bermudas, Miami e San Juan no Porto Rico, tem sido a causa presumida de dezenas e dezenas de desaparecimentos espantosos de navios e aviões.

O mais famoso desaparecimento atribuído ao Triângulo das Bermudas está relacionado ao voo 19, um grupo de 5 bombardeiros americanos que desapareceram no Triângulo em 1945. Um avião de resgate enviado para procurá-los também desapareceu.

Outras histórias incluem o mistério do USS Cyclops, resultando na maior perda de vidas sem combate na história da Marinha dos EUA. O navio com uma tripulação de 309 desapareceu em 1918. Já em 2015, El Faro, um navio cargueiro com 33 a bordo, desapareceu na área.

Teorias Não Faltam Para Justificar os Desaparecimentos

Ao todo, até onde sabemos, 75 aviões e centenas de navios encontraram o seu fim no Triângulo das Bermudas. Possíveis causas para as catástrofes têm sido propostas ao longo do tempo, desde a interferência paranormal, eletromagnética que causa problemas na bússola, mau tempo, a corrente do golfo e grandes campos submarinos de metano.

Uma teoria fascinante tem sido proposta por meteorologistas, alegando que a razão para os acontecimentos misteriosos que permeiam a área do Triângulo das Bermudas são incomuns nuvens hexagonais criando bombas de ar de 170 mph cheias de vento. Estes bolsões de ar causam todo o dano, afundando navios e derrubando aviões.

Embora o notório triângulo das Bermudas esteja no topo da lista dos lugares mais misteriosos do planeta, vários outros locais também permanecem misteriosos, tanto quanto os primeiros. O Mar do Diabo, também conhecido como o Triângulo do Dragão, é um dos pesadelos dos marinheiros nas águas do mundo.

Declarado como Área Perigosa para a Viagem Marítima

Localizado perto da costa japonesa no Oceano Pacífico, o Mar do Diabo (Ma-no Umi em japonês) é um dos doze Vórtices Vile localizados ao redor da terra. Vórtices vil são aquelas áreas onde a atração das ondas eletromagnéticas do planeta é mais forte que em qualquer outro lugar. Como o título indica, o Triângulo do Dragão se estende como um triângulo entre o Japão e as Ilhas de Bonin, incluindo uma porção maior do Mar das Filipinas.

Diz-se que o conquistador Kublai Khan, o quinto Grande Khan do Império Mongol e o neto de Genghis Khan, tentou invadir o Japão em 1274 e 1281 dC. No entanto, em ambas as tentativas, ele não conseguiu invadir o país depois de perder seus navios e 40.000 tripulantes no exterior nesta área triangular, supostamente devido a tufões.

No final do século, especialmente nas décadas de 1940 e 1950, vários navios de pesca e mais de cinco embarcações militares desapareceram no mar, em uma área que fica entre a Ilha Miyake e Iwo Jima. Como resultado, o Japão enviou um navio de pesquisa chamado Kaio Maru No.5, em 1952, para investigar as embarcações que haviam faltado e que haviam desaparecido no Triângulo do Dragão sem qualquer vestígio.

No entanto, as embarcações de pesquisa com 31 tripulantes no exterior também encontraram o destino das embarcações anteriores que foram para o mar do Diabo. O naufrágio do Kaiyo Maru No.5 foi recuperado mais tarde, mas o paradeiro dos tripulantes nunca mais foi ouvido.

Após este incidente, o governo japonês declarou esta área perigosa para a viagem marítima e o transporte de mercadorias.

acontecimentos misteriosos

4. As Bolas de Fogo Conhecidas Como FOO FIGHTERS

Perto do final da Segunda Guerra Mundial, pilotos começaram a relatar vendo OVNIs – Objetos Voadores Não Identificados – na forma de estranhas bolas brilhantes voando ao redor de suas aeronaves à noite.

Os objetos pareciam manobrar com grande velocidade e os Aliados começaram a se preocupar que os alemães tivessem desenvolvido uma nova arma com capacidades surpreendentes.

Origem do Nome Foo Fighters

Os objetos foram apelidados de “foo fighters” por causa de uma história em quadrinhos popular na época, Smoky Stover desenhada pelo cartunista Bill Holman. O personagem de Smoky gostava de dizer “Onde há fogo há” e os objetos parecem ser formas arredondadas. Em 1944, o termo “foo fighter” foi usado pelos operadores de radar para descrever um retorno na tela do radar de um objeto que pode ou não existir.

Logo, as tripulações aéreas também usavam o termo para descrever os objetos estranhos que estavam vendo. Ocasionalmente, no European War Theatre, eles também empregavam a expressão “bolas de fogo kraut”.

Outro encontro foi descrito pelo Major do Ar do Exército William D. Leet: “Minha tripulação B-17 e eu fomos acompanhados por um ‘foo-fighter’, um pequeno disco, de Klagenfurt à Áustria, ao Mar Adriático.

De Quem Eram os Objetos?

Isso ocorreu em uma missão de ‘lobo solitário’ à noite, se bem me lembro , em dezembro de 1944 “Major Leet continua observando que o oficial de inteligência que interrogou a ele e sua tripulação” declarou que era um novo lutador alemão, mas não conseguia explicar por que não atirou em nós, ou se era relatando nosso rumo, altitude e velocidade, por que não recebemos fogo antiaéreo. “

Tais acontecimentos misteriosos também não se limitavam à Europa. Em 1944, sobre o Oceano Índico, o co-piloto de uma Super fortress B-29 da Força Aérea do Exército dos EUA relatou um encontro com um peculiar OVNI:

Não frequentemente, mas às vezes os objetos também apareceriam no radar. Em 22 de dezembro, um piloto do 415 Night Fighter Squadron relatou dois “grandes raios alaranjados” que subiram rapidamente em direção ao seu avião quando ele voou sobre Hagenau, na Alemanha. No solo, o operador de radar também viu os objetos.

Realidade ou Imaginação?

Muitas foram as teorias que surgiram durante e após a segunda guerra para tentar explicar estes fenômenos, desde efeitos óticos até OVNIs (veja outros incidentes envolvendo extraterrestres). Os militares decidiram que poderiam ser um efeito elétrico ou ótico incomum que poderia estar relacionado a um raio de uma bola ou ao fogo de St Elmo. Este efeito é conhecido por se formar como um brilho elétrico ao redor das pontas das asas dos aviões, mas não é em forma de uma esfera.

Finalmente, eles também consideraram a possibilidade de que a coisa toda estivesse na imaginação das tripulações de avião que estavam justificadamente nervosas sob a pressão de voar perigosas missões de guerra.

Durante a guerra, os aliados acreditavam que se tratava de alguma arma secreta dos Alemães e vice-versa. Com o final da guerra, descobriram que não se tratava de armas secreta de nenhum dos dois lados. Apesar de todas essas especulações, nenhuma explicação conclusiva para os foo fighters foi encontrada até hoje.

acontecimentos misteriosos

3. A Misteriosa Explosão em Tunguska no Norte da Rússia

Em 30 de junho de 1908, a floresta perto do rio Tunguska, no norte da Rússia, explodiu misteriosamente devastando uma área de milhares de quilômetros quadrados.

A explosão foi tão grande que é considerada a força de impacto mais poderosa da história registrada. Estima-se que a explosão tenha liberado energia equivalente de 5 à 30 megatons, isto é aproximadamente 1000 a bomba atômica lançada em Hiroshima e apesar disto não deixou cratera, como ocorre em quedas de meteoros.

No entanto provocou uma destruição de 2.000 quilômetros quadrados de floresta da taiga siberiana. Janelas a 40 milhas de distância se quebraram quando testemunhas observaram uma gigante bola de fogo subir no horizonte.

Teorias Sobre a Explosão

Assim que os cientistas entraram em cena, notaram que a explosão provavelmente se originou de um único epicentro, notando que todas as árvores foram derrubadas em um padrão concêntrico. Um pesquisador notou uma peculiaridade no centro, observando que as árvores não haviam sido derrubadas, mas, em vez disso, haviam sido despidas de sua casca.

Leonid Kulik, um mineralogista russo suspeitava que um meteorito, foi o culpado por todo o fenômeno. Depois de chegar ao centro da catástrofe, Kulik não encontrou nenhuma cratera.

Percebendo que havia vários lagos concêntricos na área, ele argumentou que o meteorito explodiu antes do pouso, mas depois de drenar um pântano e encontrar nada além de uma velha árvore, ele ficou perplexo.

Como era de se esperar, muitas foram as teorias elaboradas para explicar esses eventos aparentemente estranhos, Alguns acreditam até hoje, que o dano foi causado por um UFO que foi embora antes que pudesse ser descoberto, explicando assim a ausência de uma cratera. Outros acham que uma espaçonave alienígena pode ter intervindo e explodido um perigoso meteorito para proteger a raça humana.

Queda de um Cometa é a Explicação Mais Provável

Alguns astrônomos sugeriram que um pequeno cometa teria deixado poucas evidências enquanto sua massa gelada se dissipava. Os geólogos teorizaram que uma nuvem de gás natural pode ter sido inflamada. Os historiadores até notaram semelhanças com os padrões de explosão exibidos pelos modelos nucleares soviéticos – ambos deixando um padrão de queima em forma de borboleta.

A explicação mais provável para estes acontecimentos misteriosos é o estouro de um meteorito na atmosfera; este fenômeno acabou ganhando mais crédito. Apesar disto nada foi provado até hoje e a dúvida permanece, o que realmente aconteceu em Tunguska.

acontecimentos misteriosos

2. Um dos Maiores Acontecimentos Misteriosos é Puma Punku

Na Bolívia existe um dos locais mais antigos e misteriosos do mundo, Puma Punku. Este local misterioso é considerado verdadeiro tanto para arqueólogos acadêmicos e historiadores. Também existem os historiadores trapaceiros que investigam a hipótese de civilizações pré-históricas avançadas ou assistência antiga de extraterrestres.

Puma Punku cobre uma grande parte da cidade antiga maciça de Tiwanaku e está localizado a sudeste do Lago Titicaca, nos Andes. A cidade antecede a presença inca naquela parte da América do Sul.

A coisa mais intrigante sobre Puma punku é a pedra. A Puma punku era um monte de terraços com terraços originalmente enfrentados por blocos megalíticos, cada um pesando várias dezenas de toneladas. As pedras de arenito vermelho e andesito foram cortadas de forma tão precisa que se encaixam perfeitamente e travam umas nas outras sem usar argamassa.

Talvez o Maior Mistério é a Precisão Empregada

A fineza técnica e a precisão exibidas nesses blocos de pedra são surpreendentes. Nem mesmo uma lâmina pode deslizar entre as pedras. Alguns desses blocos possui finos acabamentos com qualidade de ‘máquina’ e os furos com perfeição.

Isto é atribuído à uma civilização que não tinha sistema de escrita e não conheciam a existência da roda. Algo não está bem explicado. As portas finamente cortadas e os blocos de pedra restantes não têm marcas de cinzel e muitos intertravam com precisão muito fina.

Um artigo da Wikipedia descreve a engenharia fantástica envolvida na construção do templo. “Ao montar as paredes de Puma punku, cada pedra foi finamente cortada para interligar com as pedras ao redor e os blocos se encaixam como um quebra-cabeça, formando juntas de sustentação sem o uso de argamassa”.

Teorias Sobre o que Aconteceu Com Puma Punku

Uma técnica de engenharia comum envolve cortar a parte superior da pedra inferior em um certo ângulo e colocar outra pedra em cima dela, que foi cortada no mesmo ângulo. A precisão com que esses ângulos foram utilizados para criar juntas niveladas é indicativa de um conhecimento altamente sofisticado de corte de pedras e um profundo conhecimento da geometria descritiva.

Muitas das articulações são tão precisas que nem mesmo uma lâmina de barbear se encaixa entre as pedras. Grande parte da alvenaria é caracterizada por blocos retilíneos cortados com precisão de tal uniformidade que eles poderiam ser trocados um pelo outro, mantendo uma superfície plana e até mesmo juntas.”

O complexo está em ruínas completas hoje com enormes blocos de granito em cima uns dos outros. O local parece ter sido destruído por um terremoto, talvez acompanhado por uma onda do Lago Titicaca.

Segundo Jason Yaeger, professor de antropologia da Universidade de Wisconsin; a cidade já estava abandonada quando os incas conquistaram a área em 1470. Os incas não pouparam gastos, no entanto, incorporando Puma Punku e o resto da cidade de Tiwanaku em seu império e cultura.

A origem e a idade exatas do site são contestadas

De acordo com os resultados de datação por radiocarbono divulgados pelo professor de antropologia William H. Isbell da Universidade de Illinois, o local foi construído entre aproximadamente 500 e 600 DC; outros, no entanto, dizem que a datação por radiocarbono é imprecisa e a estrutura pode ter sido construída há muitos milhares de anos antes disso.

O antigo explorador e engenheiro Arthur Posnansky, um dos primeiros exploradores modernos do sítio; datou de Puma Punku a cerca de 15.000 AC. O moderno arqueólogo Neil Steede está por trás da afirmação de Posnansky.

O arqueólogo boliviano Dr. Oswald Rivera concorda que o templo foi construído com alinhamentos astronômicos. Os edifícios são deliberadamente orientados para os pontos cardeais, ele disse à História Proibida. Mas, ele disse, os construtores cometeram um erro; é por isso que o sol não se eleva sobre os alicerces dos solstícios.

As Pedras Foram Cortadas, Perfuradas e Polidas

No entanto atualmente outro arqueólogo chamado Neil Steede, discorda que os construtores meticulosos teriam cometido tal erro. As pedras se encaixavam com tanta precisão que ele não conseguia nem encaixar uma agulha entre elas a qualquer momento.

“Depois de observar a perfeição com que este sítio foi construído… para sugerir que coisas como os marcadores de solstício estão desalinhados, acho incrível”, disse Steede. As medidas de Posnansky foram confirmadas por engenheiros modernos, embora suas conclusões permaneçam contenciosas.

Outras características do local incluem um complexo sistema de irrigação, furos e canais bem trabalhados em certos blocos de pedra. Parecem desafiar o trabalho em pedra dos incas ou povos pré-Incas conhecidos na região.

Outros acontecimentos misteriosos se deve ao nível de alvenaria encontrados em Puma Punku. Essas pedras parecem ter sido cortadas com um “laser”. Eles são tão precisos e tão suaves que você não pode dar uma explicação lógica de como o homem antigo poderia ter conseguido isso sem o uso de equipamentos modernos.

Muita coisa ainda não foi resolvido e assim o mistério continua.

acontecimentos misteriosos

1. O Incidente de Passo Dyatlov

Este incidente refere-se às mortes não resolvidas de nove excursionistas de esqui nos Montes Urais no norte da União Soviética (atual Rússia ). O incidente ocorreu entre 1º de fevereiro e 2 de fevereiro de 1959. O experiente grupo de caminhada de Grau II, liderado por Igor Dyatlov; inicialmente consistia em 10 pessoas (8 homens e 2 mulheres). Todos na época do Instituto Politécnico de Ural; no entanto, um deles, Yuriy Yudin, ficou doente, por isso foi forçado a voltar para casa.

Assim, apenas nove pessoas começaram a subida para a montanha através de um passe sem nome que mais tarde se tornaria conhecido como o Passo de Dyatlov. Ninguém os viu vivos depois disso.

havia estabelecido um acampamento nas encostas de Kholat uma área agora nomeada em homenagem ao líder do grupo, Igor Dyatlov. Durante a noite, algo fez com que eles saíssem de suas barracas as presas e fugissem do acampamento. Estavam inadequadamente vestidos para as nevascas e temperaturas abaixo de zero.

A História é Real e Foi Documentada

Este é um daqueles acontecimentos misteriosos que na realidade pode ser considerado uma tragédia. É antes de tudo uma história real dramática e misteriosa que se desenrolou em Sverdlovsk Oblast da URSS em 1959.

Ocorreu nas encostas orientais da montanha Kholat Syakhl (literalmente “Montanha dos Mortos” ou “Montanha Morta” na língua Mansi nativa) chamada de Ural. As circunstâncias que o envolvem são tão bizarras e estranhas que até hoje não possui explicação e este caso não foi solucionado.

O acontecimento é descartado como sendo uma farsa. Existem documentos reais, fotos, arquivos, autópsias e outros documentos oficiais que provam que a história do Incidente de Passo Dyatlov é bem real.

Foi Utilizado um Grupo de Busca e Salvamento

No final do mesmo mês de fevereiro, o grupo não conseguiu se comunicar. As autoridades inicialmente hesitaram em iniciar uma operação de busca e salvamento. Eles até mentiram que havia um contato com um grupo de Dyatlov e eles simplesmente foram atrasados pelos elementos naturais.

Logo após um grupo de resgate formado por autoridades locais; estudantes voluntários e guias Mansi repetiu o caminho feito pelo grupo de estudantes e encontrou o último acampamento base no dia 26 de fevereiro.

No dia seguinte, eles também descobriram 5 de 9 corpos. As câmeras foram encontradas no local das tendas onde eles abandonaram. As primeiras fotos mostram claramente que estava tudo bem; o ambiente era descontraído e havia uma boa preparação para o inverno rigoroso da região.

Definido as Teorias e Hipóteses

Uma investigação inicial das autoridades da União Soviética determinavam que seis haviam morrido de hipotermia,
enquanto os outros três mostravam sinais de trauma físico. Uma vítima tinha um crânio fraturado; outros dois tiveram fraturas maiores no tórax.

Além disso, outro membro da equipe estava sem a língua e os olhos. A investigação concluiu que uma “força irresistível desconhecida” causou as mortes. Inúmeras teorias foram apresentadas para explicar as mortes inexplicáveis. Entre estas teorias estão ataques de animais, hipotermia, avalanche, pânico induzido por infra-som; envolvimento militar ou alguma combinação destes e até o ataque de um Yeti russo, o famoso pé grande.

As tribos indígenas locais foram a base para uma teoria que era comum na época do evento. Havia um acampamento de Mansi a nordeste do desfiladeiro. Uma trilha de Mansi passava pelo acampamento dos grupos de Dyatlov, a apenas 200 metros de distância. Mas esta teoria foi descartada, pois os Mansi não tiveram nenhum problema com as
pessoas que caminhavam pelas montanhas.

Apesar de todas as teorias, ainda temos um mistério inexplicável

Alguns fatos foram explicados, mas ainda nos restam muitas perguntas não respondidas. Nenhuma teoria pode esclarecer todos os eventos que ocorreram e, devido à falta de testemunhas, provavelmente permanecerá assim. Isto impede que grandes revelações futuras ou documentos não descobertos sejam revelados.

Muitas das teorias “concretas” sensacionalizaram certos aspectos da evidência que simplesmente não eram verdadeiros. A realidade é que ficamos com um genuíno mistério não resolvido, e que provavelmente não será resolvido.

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*